Uncategorized

CURA GAY – Seria o Próximo Passo a Legalização do “Estupro Corretivo”?

Cura Gay
A sexualidade sempre foi um grande enigma da humanidade e uma das mais importantes e complexas dimensões da condição humana. Sua compreensão envolve inúmeras variáveis que incluem questões morais, políticas e ideológicas. Outro pilar que fundamenta as relações sociais, na sociedade Ocidental, são os valores morais e legais.
Assim podemos compreender que a heterossexualidade, enquanto regra social, também é um valor construído historicamente. Neste sentido lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais rompem com a expressão dominante da sexualidade – heterossexualidade – e se colocam além das barreiras dos padrões heteronormativos.

Assim a discussão sobre a proposta de lei que visa mudar uma resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) para permitir que profissionais dessa área atuem na chamada “cura gay” é um retrocesso para a sociedade e um ataque a dignidade da população LGBT.

Apesar de o parlamentar ter afirmado que não levantou a bandeira da “cura gay”, a postura dele gera “impressão negativa na sociedade e reforça estigmas do preconceito”. E com um projeto tão conservador como esse a pergunta que fica é onde vamos parar? Será que as próximas proposituras serão: pena de morte para homossexuais? “estupro corretivo” para lésbicas?

Apesar dos avanços obtidos com a organização da população LGBT, como o reconhecimento científico de que a homossexualidade NÃO É DOENÇA, o preconceito e a opressão cotidiana ainda são constantes. Alguns dos maiores fomentadores tanto protestante como católico. O discurso da Igreja ainda classifica os homossexuais como pervertidos sociais e ameaçadores da ordem “natural”, da homofobia no Brasil têm surgido.

Atualmente a homossexualidade ainda não possui o direito de ter direitos, pois os homossexuais ― precisam se cercar de advogados para conseguir benefícios aos quais os outros têm acesso automaticamente. E justamente porque não há um espaço (cultural, simbólico, político) para “a homossexualidade”, mas para este ou aquele homossexual. Quando “a homossexualidade” ganha esse espaço é justamente para “denunciar contra”, como no caso de sentenças judiciais conservadoras. E aqui adentra-se numa ordem de problemas teóricos e políticos que estão longe de chegar a uma solução satisfatória, pois inscrever “a homossexualidade” como uma dimensão constitutiva do indivíduo é também dar crédito a visões essencialistas da sexualidade e, como tal, limitadoras das potencialidades humanas.

Bruno Rapchaell

Comentários

Comentários

Mostrar mais

aligagay

Nós somos um website especializado em conteúdo voltado para LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais). Com novidades sobre famosos, músicas e notícias em geral.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo