10 músicas que são verdadeiros hinos para a comunidade LGBT

0

A música sempre foi aliada de causas sociais e uma maneira de dar voz àqueles grupos em nossa sociedade tidos como invisíveis. Com a comunidade LGBT não foi diferente, diversos artistas em diferentes épocas, emprestaram sua voz para a reivindicação de direitos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Abaixo temos uma lista daquelas canções que são consideradas verdadeiros hinos para a comunidade gay. Confere aí!

1 – I Will Survive: Esse talvez seja o maior hino da comunidade LGBT de todos os tempos. A épica e atemporal I will survive foi escrita por Freddie Perren e Dino Fekaris e interpretada pela Rainha do Disco, Glória Gaynor. Lançada no fim da década de 70, a música fez muito sucesso nas baladas disco da época, que eram bastante frequentadas por drag queens. Em 1994 foi trilha sonora do filme Priscilla, a rainha do deserto e a partir daí consagrou- se de vez como uma pérola da cultura gay.

 

2 – Y.M.C.A: O Village People surgiu nas boates gays dos Estados Unidos entre 1976 e 1977. O nome do grupo de disco é uma referência ao reduto gay de Nova York na época, o Greewich Village. Macho Men, juntamente com Y. M. C. A. forma dois dos maiores sucessos do sexteto.

3- I’m coming out: A música foi composta e produzida por Bernard Edwards e Nile Rodgers, membros da banda Chic, para a musa do soul, Diana Ross. Nile declarou que a inspiração para compôr a música veio depois que ele visitou uma discoteca na California, onde encontrou inúmeras drag queens fantasiadas de Diana, que nessa época já era considerada um ícone gay. A canção se tornou um dos maiores sucessos da carreira da cantora e a letra tem tudo a ver com nosso universo colorido. I’m coming out pode ser traduzido como Eu estou desabrochando ou Eu estou me assumindo, o que muita gente relaciona com ‘fora do armário’.

4- I want to break free: Esse é um dos maiores sucessos do Queen e um dos grandes clássicos da história da música. Composta por Roger Taylor e lançada em 1984 no álbum The Works, a letra fala sobre alguém que deseja libertar- se de seus problemas e dificuldades. Apesar de ter sido adotada pela comunidade LGBT como hino de autoafirmação, os integrantes da banda sempre deixaram claro que a música nunca teve a intenção de levantar a bandeira da causa gay.

5- Vogue: Se tem algo de Madonna que ninguém nunca poderá tomar é o título de ‘Rainha do Pop’. A loira fez e continua fazendo diferença na música e seu legado é imortal. Feminismo, diversidade sexual e de gênero, crítica à hipocrisias religiosas e liberdade sexual foram alguns dos muitos temas tabus que ela trouxe à tona em suas músicas, em décadas de carreira. A Diva sempre levantou a bandeira LGBT e nos inspirou a ser fortes e confiantes. Em 2012 por exemplo, em um show em São Petersburgo, na Rússia, ela criticou o governo do país que é altamente homofóbico e conservador: “…É um tempo muito assustador, mas nós podemos fazer a diferença. Nós podemos mudar isso. Nós temos o poder. E não precisamos de violência, nós apenas precisamos do amor”. Vogue, uma de suas obras-primas, foi lançada em 1990 e nos apresentou em seu videoclipe, a dança de mesmo nome, o Vogue ou Voguing, que surgiu no underground negro e gay de Nova York entre os anos 60 e 80. A música ficou no topo das paradas de mais de trinta países e foi com ela que Madonna fez uma das performances mais marcantes da história do VMA, em 1990.

6- Believe: É impossível falar sobre cultura gay e não citar a Diva mor, Cher. A Deusa do Pop, como é chamada, possui nada menos que cinquenta anos de carreira. Antes mesmo de Madonna lançar seu primeiro álbum, a morena já vinha há anos construindo sua história na música. Cher sempre foi envolvida em causas humanitárias, no início dos anos 80 foi a primeira artista a levantar 1 milhão de dólares para o tratamento e combate da AIDS infantil. Além disso, toda sua trajetória artística e pessoal é marcada pelo apoio às causas como o feminismo e a visibilidade LGBT. Considero uma missão quase que impossível escolher apenas uma música dessa mulher como hino gay, mas acabei optando por aquela que todo mundo conhece e sabe cantar o refrão: Believe. No final dos anos 90, Cher passava por uma crise após ter sido abandonada pelo seu agente e pela gravadora em que atuava. Foi aí que surgiu por meio de Rob Dickins, um executivo inglês do ramo da música, a oportunidade de fazer algo no gênero disco. Veio então o álbum Believe, o de maior sucesso da sua carreira até hoje. A música título, alcançou o topo da Bilboard Hot 100, fazendo da Diva, a artista feminina mais velha (aos 52 anos) a conseguir esse feito. Vida longa à Deusa do Pop, vida longa à Cher!

7- Better: Foi originalmente gravada e lançada pelo cantor e compositor britânico Tom Baxter, mas foi em 2008 com a versão da boyband Boyzone que a canção alcançou sucesso nas paradas de música. Seu clipe foi marcante por ter sido o primeiro de uma boyband a mostrar cenas de um casal gay.

8- Beautiful: Composta pela maravilhosa Linda Perry e interpretada pela rainha da voz, Xtina (Christina Aguilera), Beautiful é um clássico moderno e uma das canções mais queridas pelo público gay. O clipe conta com cenas lindas de pessoas que geralmente são rejeitadas e marginalizadas pela sociedade, como um casal de homossexuais, uma travesti, adolescentes que se vêem pressionados pelos padrões de beleza e uma garota que sofre bullying. A música já recebeu diversos prêmios de reconhecimento pelo apoio à comunidade homossexual e foi considerada uma das 100 maiores canções da década pela revista Rollling Stone.

9 – We Exist: Oh, daddy don’t turn away, You know that I’m so scared, But will you watch me drown?. Essa é particularmente uma das minhas favoritas dessa playlist. We exist faz parte do quarto álbum de estúdio da banda canadense Arcade Fire. O vídeo musical, dirigido por David Wilson, traz o fofo do Andrew Garfield no papel de um homem que está se descobrindo como uma mulher transgênero. Não tenho palavras para descrever o quanto sou apaixonado por esse clipe. O arranjo poderoso da música, a letra e a interpretação tocante de Garfield, proporcionam uma das melhores coisas já feitas no rock nos últimos tempos!

10 – Born This  Way: Lady Gaga é sinônimo de ousadia, coragem, extravagância e talento, e a geração little monster não podia ficar sem o seu grande hino. Em 2011 ela lançou Born this way como primeiro single do seu segundo álbum de estúdio de mesmo nome. Com uma batida poderosa pautada pelo electropop e pelo dance- pop, a canção conseguiu atingir o topo da Bilboard Hot 100. A música que foi chamada de ‘O hino dos marginalizados’ fala explicitamente sobre alguém que se aceita e se ama do jeito que é. Ao ser questionada sobre a canção, a Mother Monster falou: “O maior desafio ao escrever ‘Born this way’ é que eu tinha de me tornar confiante e segura de mim mesma. Eu tive que deixar minha insegurança para trás… Quaisquer cicatrizes residuais para trás. Passei dois anos a mergulhar em minhas feridas. ‘Born this way’ é quem eu sou. Uma artista em um constante estado de fantasia/realidade em todos os momentos”.

 

Matheus Wendell 

Comentários

Comentários

Compartilhar

Sobre o Autor

Nós somos um website especializado em conteúdo voltado para LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais). Com novidades sobre famosos, músicas e notícias em geral.

Deixe uma resposta

Pin It on Pinterest