Polícia faz perícia da calcinha, cueca e edredom que foram usados no suposto estupro do BBB

0
O edredom e as roupas íntimas de Monique Amin e de Daniel Echaniz, dupla envolvida na maior polêmica da história do “Big Brother Brasil”, já estão em poder da polícia para identificar possíveis traços de sêmen. Mesmo após a modelo ter se negado a registrar queixa e fazer o exame de corpo de delito ontem, um inquérito foi instaurado para investigar a possibilidade de crime de estupro de vulnerável (pessoa sem condições de reagir). Os ‘brothers’ prestaram depoimento na casa do ‘BBB’, no Projac, em Jacarepaguá.
Eles foram ouvidos separadamente, por 1h30, pelo delegado da 32ª DP (Taquara), Antônio Ricardo Nunes. A dupla negou que tenha feito sexo sob o cobertor. Daniel foi ouvido como testemunha e Monique foi acompanhada por quatro advogados da emissora. Segundo o delegado, a estudante afirmou que tudo o que se lembra ocorreu de forma consentida. 

“Eles confirmaram que ficaram embaixo dos cobertores com o consentimento de ambos. Eles se tocaram, mas negaram que houve relação sexual. Mesmo após ingerir bebida alcoólica, ela tinha condições de dizer não”, afirmou o delegado, que encaminhou o edredom, a calcinha e a cueca usados por eles na noite do fato à perícia.
Em uma conversa essa semana Monique revelou que não usa anticoncepcional, o medo de todos é uma possível gravidez dentro do BBB. Na verdade só é o que falta acontecer dentro do BBB. Do lado de fora a polêmica rola solta a família de Daniel quer a expulsão também de Monique, já que os dois infringiram o regulamento, ainda tem muita água para rolar nesse BBB, nem completou 1 mês e já teve esse tanto de polêmicas, imagine o resto dos dias.
Facebook A Liga Gay

Comentários

Comentários

Compartilhar

Sobre o Autor

Nós somos um website especializado em conteúdo voltado para LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais). Com novidades sobre famosos, músicas e notícias em geral.

Os comentários estão fechados.

Pin It on Pinterest